quinta-feira, 31 de janeiro de 2008

Barba de molho.


Cansado de ver seus sermões caírem no vazio, um pastor resolveu dar uma lição aos seus ouvintes.

Num dos cultos semanais mais concorridos, ele subiu ao púlpito com seu aparelho de barbear, bacia, água, espuma, caneca, espelho e toalha. Nem sequer cumprimentou a igreja e, tranqüilamente, colocou água na bacia, testou a temperatura, ajeitou o espelho, pegou uma caneca, fez espuma, passou na cara, e começou a se barbear. Gastou vários minutos nisso, que pareceram uma eternidade para os presentes.

Ao final, quando todos esperavam que o pastor fosse fazer um desfecho maravilhoso, fosse lhes apontar o “moral da história”, ele simplesmente enxugou o rosto com a toalha, encerrou o culto e despediu o povo de volta para as suas casas.

Aquela semana foi atípica. O povo comentou o fato todos os dias, tentando adivinhar o significado de tudo aquilo: “Que mensagem ele quer nos passar?”; “Qual o simbolismo espiritual da água, do sabão, do barbear-se?”.

Dias depois, quando ele subiu novamente àquele púlpito, a igreja estava cheia. O pastor olhou para a congregação e disse-lhes: Sei que vocês querem saber o significado do que fiz aqui neste púlpito na semana passada. Bem, eu vou lhes dizer: não há significado algum! Nenhum simbolismo. Nenhum desfecho maravilhoso. Nenhuma mensagem. Nenhuma moral da história. No entanto, se podemos tirar alguma lição disto tudo, é a seguinte: Há anos eu venho apresentando para vocês a mensagem bíblica, mas não tenho visto nenhuma mudança em suas vidas. Minhas mensagens têm caído no esquecimento, tão logo vocês saem do templo. Eu gostaria que vocês comentassem meus sermões durante a semana, do mesmo modo que se dispuseram a comentar o meu barbear nestes últimos dias, ou será que a minha barba é mais importante para vocês que a Palavra de Deus?

E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas.” Dt.6:6-9.

Um comentário:

Evandro Oliveira disse...

Que mensagem cheia de significados esse pastor nos dá! Realmente há, no meio das igrejas, um misto de "cansaço" e de comodismo muito acentuado. Quando a ênfase é dada à ministração da Palavra e ao ensino bíblico, ou seja, quando se separa um tempo significativo para se "ouvir" o que o Pai tem a falar,poucos são os que se dispõem a se entregar e participar efetivamente do culto. Mas quando o inusitado acontece, gerando expectativas... o que aconteceu mesmo? Vamos lá no domingo para conferir! E noutro sentido, quando a ênfase é dada às petições (através das conhecidas campanhas)não se quer ouvir o que Deus tem a dizer, quer-se, sim, que Ele ouça e mais, que atenda a todos os pedidos,e aí "a casa" fica cheia. Há uma entusiasmada movimentação "evangélica", e pastores, líderes e dirigentes eclesiásticos ficam eufóricos, até por que a arrecadação aumenta e o rebanho cresce...Que o Senhor lance sobre nós o Seu olhar e manifeste sempre misericórdia e graça, posto que É AMOR!